Falando sobre Bojack Horseman – 5ª Temporada

Falar que Bojack Horseman não é um sucesso da Netflix seria uma mentira, a quinta temporada da série foi disponibilizada na última sexta-feira (14/09) e vem com assuntos mais sérios nesse ano, mostrando os recentes escândalos de Hollywood envolvendo os assédios, o lado obscuro das celebridades que jamais pensamos que existia e o que a indústria do cinema pode fazer com a cabeça de uma pessoa.
OBS: A partir do texto abaixo, vou escrever Hollywoo me referindo a cidade onde a série se passa, caso tenha esquecido ou não tenha assistido as temporadas anteriores, o “D” de Hollywood foi roubado por Bojack num determinado episódio.
Nessa nova temporada podemos ver Bojack (Will Arnett) como a estrela de um novo seriado de drama policial chamado “Philbert”, que é dirigido por Flip McVicker (Rami Malek), um novato que ainda não produziu nada em Hollywoo.
Durante as gravações do programa, Bojack percebe algumas atitudes machistas do diretor e decide confrontar o mesmo, questionando o porquê escrever coisas que só retratam a masculinidade tóxica no roteiro, e é nessa discussão que temos uma breve ideia de como funciona Hollywoo, mostrando o diretor alegando ser o “Deus” de Bojack e que ele deveria fazer qualquer coisa que mandasse pois tinha a assinatura do mesmo em um contrato.
A série aproveita muito bem os assuntos recentes do mundo (como fez durante todas as temporadas), focando agora em assédios de Hollywoo e sobre o machismo, fazendo o show abraçar a campanha #MeToo, que vem do movimento The Silencie Breakers, algo como quebra do silêncio.
No quarto episódio vemos um ator de Hollywoo que teve um péssimo passado, desde agredir uma garota de programa com um taco de beisebol, até humilhar a filha de apenas 14 anos no telefone. No episódio, mostra que existe um tipo de premiação de perdão para essas celebridades, sim, você leu certo, UMA PREMIAÇÃO para celebridades “arrependidas” de seu passado sombrio. É nessa hora que Bojack, que também possui vários e vários deslizes durante sua carreira, é considerado um grande feminista, condenando o ator pelos seus atos, sendo que ele não está fazendo nada além de copiar, sem esforço algum, o que milhares de mulheres falam todos os dias, ou tentam, pelo menos.
ATENÇÃO, CONTÉM SPOILERS ABAIXO
Deixando nosso cavalo deprimido um pouco de lado, a série deu mais foco ainda na vida das pessoas ao redor de Bojack, mostrando detalhadamente o impactante processo de divórcio entre Diane (Alison Brie) e Mr Peanutbutter (Paul F. Tompkins), as tentativas sem sucesso de Princess Carolyn (Amy Sedaris) em adotar uma criança, até Todd (Aaron Paul), que é meu personagem favorito, se tornando dependente e arranjando um grande emprego em um empresa que ajuda na produção de“Philbert”.
A série não deixa seu humor cômico de lado em momento algum, muito menos em suas cenas deprimidas e mais sérias com suas filosofias sobre a vida, como no episódio em que Bojack faz seu discurso no velório de sua mãe, que está mais pra um desabafo daquilo que ele guardou durante tantos anos, o rancor, tristeza, raiva e o sentimento de ser apenas um peso na vida de seus pais.
A 5ª temporada deixou várias pontas soltas para uma possível (e bem desejada) 6ª temporada, onde seria possível mostrar o destino de nosso cavalo deprimido após se internar em uma clínica de reabilitação, explorar para onde Diane foi após deixar o amigo na clínica, o pedido de casamento de Mr. Peanutbutter para sua nova namorada e até mesmo o que Todd irá fazer, depois que a empresa fechou após acusações de assédio sexual e “Philbert” ter sido cancelada mesmo após uma 1ª temporada de grande sucesso.
Por: Gustavo Gusmão